HOME

Yan Fredericko

Yan
20/08/1998
Laranja e Branco
 

YAN É O MEU FILHO MAIS VELHO. Apesar dele não ter pedigree, ele faz parte sim dos meus cães, não posso excluí-lo de forma alguma. Devem estar se perguntando: Por quê colocar a foto dele aqui? Não vai desqualificar o canil?Vou tentar ser breve, mas vale a pena poder contar a vocês a história dele:


Minha paixão por cocker começou bem cedo, mas nunca pesquisei sobre a raça, cores, etc... Conhecia o cocker pelo que eu via na rua. Mas meus pais sempre foram contra a idéia de ter cães, principalmente em apartamento.

Até que no dia 19/10/98 fui ao supermercado com meus pais e meus tios e chegando lá, tinha uma feira de filhote. Não resisti e fui visitar com minha tia, com uma recomendação da minha mãe, “nada de comprar cachorro”.Mas advinha? Mãe é mãe, ela conhece a filha que tem... Cheguei lá e tinha um stand com uns 10 cockers. Não resisti quando um pequeno cocker branco e laranja levantou a cabeça no meio de tantos e me olhou com uma cara de me leva!!! E foi o que fiz, peguei no colo e disse "é esse", não tinha duvida!!! Ele tinha que ser meu. Mas não podia sair dali com ele, afinal minha mãe tinha me dado o recado. No outro dia o rapaz foi entregá-lo na casa da minha tia...

HORA DE CHEGAR EM CASA... Ouvi tudo o que podia e o que não podia. E para meu desespero Yan veio com tosse, um pouco de diarréia... No outro dia liguei para o rapaz que me disse ser o proprietário. do canil, e ele me disse que era normal, que era a “tosse do canil”. Mas não me contentei, até porque não via melhora, na verdade ele só piorava. O veterinário disse que era pneumonia...até que ele disse que Yan só iria durar mais 1 semana. Imediatamente sai dali e fui à procura de uma outra veterinária.

 

CONCLUSÃO:
Yan aos 2 meses de idade estava com cinomose. Fiquei maluca, até que a Veterinária Márcia Canavarro (Pet Fantasy) disse que se responsabilizava. Sorte minha!!! Pois Yan estava com um “tique” na perna, que fazia com ele não conseguisse mais se levantar, impossibilitando-o assim de andar. Foram então meses de tratamento, como acupuntura, fisioterapia, hidroterapia...Mas Graças a Deus hoje Yan está super bem, anda, corre, pula...

        

OBS.: Não posso deixar de dizer aqui, mesmo sem querer citar nomes até mesmo porque não me lembro mais, que o “proprietário do canil” sumiu (se é que realmente era criador e não um comerciante de cães), e como comprei na feria e fiquei encantada naqueles minutos por ter um desejo, um sonho na mão, não tive como correr atrás depois. O pedigree que ficou prometido de ser entregue, até hoje não chegou...

         Mas deixo claro que mesmo o Yan não fazendo parte do plantel do canil, ele faz parte desse laço de amizade que temos com os cães.
         E me fez enxergar a importância de que para adquirimos um cão, é muito importante sabermos a procedência... Não podemos deixar que um sonho se transforme em um pesadelo.